Heliar Blog

Um carro guinchado por um caminhão em uma estrada ensolarada.

Carro guinchado: saiba o que fazer nessa situação!

Para além das preocupações e transtornos, é preciso levar em consideração uma série de fatores quando se tem um carro guinchado. Dentre eles, está a obrigatoriedade de quitar multas e taxas, e verificar se há pendências no veículo. Por isso, é fundamental estar informado sobre os motivos que podem levar à apreensão do carro e as consequências que essa infração pode acarretar. 


O estacionamento em locais proibidos é uma das principais razões pelas quais um motorista pode ter seu carro guinchado no Brasil, o que leva o proprietário a enfrentar uma série de procedimentos burocráticos se essa regra básica for violada.


Se você está passando por essa inconveniência, não se desespere! A Heliar desenvolveu um guia completo para prestar o auxílio necessário. Vamos lá?

O que a lei diz sobre a remoção de carros?

Placa com um desenho em preto e branco alertando o perigo de ter o carro guinchado.

Lembre-se de sempre se atentar às regras de trânsito para não ter seu carro guinchado!


No Brasil, a remoção de veículos estacionados em locais proibidos é regulamentada pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB), no artigo 271. Nele, estão descritos os critérios que podem levar um carro a ser removido pelas autoridades e outros detalhes sobre as obrigações e direitos nestes casos.


Além disso, é estabelecido que a remoção do veículo só pode ser feita por um órgão de trânsito ou entidade autorizada, e o proprietário do veículo deve ser informado sobre a remoção. O órgão responsável também deve emitir um recibo de remoção, que informa o local onde o veículo foi levado e os procedimentos necessários para a sua retirada.

Carro guinchado: conheça os principais motivos para isso acontecer

De acordo com os artigos do CTB, os principais motivos que podem resultar na remoção de um veículo são:


  • Segundo o artigo 181, estacionar em locais proibidos e inadequados pode levar à remoção do carro. Por exemplo, áreas de carga e descarga, faixas exclusivas, acostamentos, calçadas e entre outros;


  • Desrespeitar a sinalização também poderá levar ao guinchamento do carro;


  • É proibido o abandono de veículos em vias públicas ou em locais de uso comum do povo. Caso um veículo seja considerado em estado de abandono, as autoridades podem guinchá-lo;


  • Veículos estacionados de uma maneira que impeça a circulação de outros carros ou de pedestres levam infração grave com a possibilidade de serem guinchados;


  • O descumprimento de qualquer outra determinação legal, como ordens de autoridades, também pode levar a remoção do carro.


É importante ressaltar que algumas regras específicas podem haver variações de acordo com as normas e leis de cada estado. Em cada estado brasileiro também pode haver um órgão responsável diferente pelo serviço de guincho de veículos. 


Por exemplo, em São Paulo, o serviço é majoritariamente realizado pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), enquanto no Rio de Janeiro, o Departamento de Trânsito do Estado do Rio de Janeiro (Detran-RJ) é responsável pelo guincho. Além disso, na maioria dos casos, o trabalho pode ser terceirizado por empresas contratadas pelo órgão oficial.


E saiba também que todas as infrações descritas geram multas e pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) do condutor. Os valores e pontuação vão depender da natureza da infração.

O que fazer no caso de carro guinchado?

Um homem sentado em um banco em uma praça está com expressão preocupada enquanto fala ao celular após ter tido seu carro guinchado.

Aprender com os erros é a chave para evitar o problema do carro guinchado no futuro.


Se você estiver passando por isso, os seguintes passos devem ser dados:

Descobrir onde o seu veículo está

Para isso, ligue para a central da prefeitura da sua cidade, passe as informações necessárias para que eles indiquem em qual depósito o seu carro se encontra. Geralmente pedem nome, placa e chassi. Alguns sites da prefeitura possibilitam a consulta online, então verifique a disponibilidade da sua cidade.


Essa medida é importante para quem teve o carro removido, pois é necessário retirá-lo do depósito o quanto antes para evitar custos extras com diárias e outros encargos.

Entender os motivos da apreensão

Se você ainda está em dúvida do que motivou a remoção do seu veículo, no site ou durante a consulta é possível descobrir. Caso seja por alguma irregularidade de débitos, por exemplo, o proprietário precisa quitar todas as dívidas antes de solicitar a liberação.

Pedido de liberação

Após confirmar que o seu carro foi apreendido, você precisará requisitar a liberação do veículo guinchado através do site do Detran do seu estado. Será necessário fornecer informações pessoais, como CPF do proprietário, placa, Renavam e número do chassi, para realizar a solicitação.

Pagar as taxas e/ou qualquer débito pendente

Após a apreensão do veículo, o condutor deverá arcar com algumas despesas, incluindo o valor do guincho e das diárias no pátio das autoridades de trânsito. Além disso, caso haja pendências como multas, licenciamento e IPVA, será necessário regularizá-las.

Apresentar documentação

De volta ao Detran, o proprietário precisa apresentar todos os documentos e os comprovantes de pagamento para que o veículo seja retirado e devolvido. 

Vistoria e liberação

Após a apresentação e análise dos documentos, o dono do veículo será conduzido até o carro para que seja realizada uma vistoria, com o objetivo de avaliar as condições do automóvel. 


Somente após a inspeção, o proprietário assinará um termo de entrega, no qual indicará se concorda ou não com as condições em que o veículo se encontra.

Em quanto tempo devo solicitar a liberação do carro guinchado?

A chave em destaque nas mãos de uma mulher sentada no banco do motorista do carro com o resto da imagem em desfoque.

Não vale a pena arriscar: não ignore as placas de estacionamento!


Segundo o Departamento de Estradas e Rodagem, os veículos removidos a qualquer título que não forem reclamados por seus proprietários, dentro do prazo de 60 dias serão levados a leilão, conforme o Artigo 328 do CTB.

Quanto vou gastar se o carro for guinchado?

Os custos de guinchamento de veículos podem variar de cidade para cidade, pois cada município tem sua própria legislação e valores estabelecidos. Além disso, o valor total pode depender do tempo que o veículo ficou no pátio de armazenamento, da infração cometida e da taxa diária de permanência do carro no pátio. 


Segue um exemplo:


Na cidade de São Paulo - SP, o motorista pagará aproximadamente:


  • Multas pendentes e IPVA, caso tenha;

  • Remoção de veículo por infração de trânsito: entre R$285,20 e R$4405,00, dependendo do veículo, desde motocicletas a ônibus;

  • Diária no depósito de veículo removido: entre R$24,00 e R$254,80 por dia, dependendo do veículo;

  • Multa referente à infração cometida na hora da apreensão;

  • Taxa de liberação do veículo.


Os valores informados podem sofrer alterações ao longo do tempo. Além disso, em caso de dúvidas, é importante consultar o órgão responsável pelo guinchamento do veículo na sua cidade ou estado. 

Alguns links úteis para consulta do veículo

Para facilitar a consulta do seu veículo, confira links úteis de alguns estados brasileiros:



Contudo, ter o carro recolhido pelo guincho pode causar alguns transtornos e preocupações financeiras. Sabendo disso, o importante é sempre seguir normas e leis e manter uma direção defensiva. Caso você passe por essa situação, seguindo os passos descritos neste artigo fica mais fácil recuperar o seu veículo. 


Se gostou dessas informações e quer continuar por dentro das novidades do mundo automobilístico, basta acompanhar o blog Heliar, estamos sempre te mantendo atualizado! 


E, claro, se precisar de baterias de qualidade e serviços rápidos com especialistas, é só entrar no site da Heliar!